******
Folha de Óbidos no TwitterFolha de Óbidos no Youtube
sem-pelo

Anuncio

pauxi

Livros

cornelio-livrocanto-livro

Enquete

Qui, 11 de Junho de 2015 12:19

QUEREMOS RESPEITO

Escrito por Nicias Ribeiro
Qualifique este item
(0 votos)
No artigo da semana passada, intitulado “A grande vítima”, comentamos sobre a crise econômica do Brasil, graças aos erros do governo que destroçaram a economia do País, arrastando-nos a uma divida pública que, hoje, está em torno de dois trilhões e quinhentos bilhões de reais, simplesmente porque o governo gastou mais do que arrecadou, gastou mal, não fez o devido superávit primário, para pagamento dos juros da divida, e, também, graças aos elevados juros do Banco Central que hoje é de 13,75% e cujo aumento é utilizado como mecanismo de controle da inflação que, neste ano, deve passar dos 10%, muito acima da meta estabelecida pelo próprio Banco Central, que é de 4,5% ao ano.

Essa crise, que o próprio governo Federal criou, levou a Presidente Dilma a trocar o seu Ministro da Fazenda, para fazer os necessários ajustes na economia. O novo Ministro, Joaquim Levy, de imediato levou os derivados do petróleo para o seu preço real, uma vez que a sua defasagem havia causado um prejuízo de 60 bilhões de reais à Petrobras. Em seguida, cortou todos os subsídios tributários que haviam sido concedidos à indústria nacional, notadamente à automobilística, o que levou o setor a diminuir as suas vendas, e, por conseguinte, a dispensar um grande numero de empregados, o que aumentou mais, ainda, o desemprego no País, cujos índices são alarmantes.

Em meio a tudo isso, o governo diz que, para que o “ajuste fiscal” de fato aconteça, é preciso “cortar na carne”. E, num período em que o desemprego está em alta, corta o Seguro Desemprego, corta a Pensão das viúvas do INSS, o Seguro defeso dos pescadores, e, por fim, corta os investimentos públicos. Estranhamente, contudo, a Presidente Dilma mantém intocável os seus 39 Ministérios e os 22 mil cargos Federais de livre nomeação, admitidos sem concurso público.

Como então se “corta na carne”, mantendo a mesma estrutura de governo?!... E ai faltam recursos para programas como “Minha Casa – Minha Vida” e o FIES, este criado pelo Presidente FHC e que foi expandido no governo Lula e que, sem duvidas, é importante no financiamento do ensino superior dos mais pobres.

Por outro lado, o corte dos investimentos previstos no Orçamento Geral da União vai na contra mão da historia, principalmente se levarmos como exemplo o Programa “NEW DEAL”, do Presidente Franklin Delano Roosevelt, dos EUA, que recuperou e reformou a economia daquele País no inicio dos anos 30, após a grande depressão econômica de 1929. E se há cortes nos investimentos orçamentários, é evidente que o Pará deve ser a grande vítima e continuará tendo a maior malha rodoviária de chão do Brasil, pois deverão ser cortados os recursos para a pavimentação das rodovias BR-163 (Cuiabá – Santarém), Transamazônica (BR-230), BR-153, BR-155 e BR-158. Isto sem falar na postergação da duplicação da BR-316, de Castanhal ao trevo de Santa Maria do Pará; bem como a construção da ponte estaiada sobre o rio Xingú, no eixo da Transamazônica, às proximidades de Belo Monte.

Agora, para fugir do pessimismo que tomou conta da Nação, a Presidente Dilma decidiu construir uma “Agenda Positiva” e lançou um pacote de investimentos de 198 bilhões de reais em portos, aeroportos, rodovias e ferrovias, que serão entregues à iniciativa privada, por meio de concessões e cujas obras serão financiadas com recursos do BNDEs.

Isso não é um replay?!... Lembra-se do segundo governo Lula, quando foi lançado o Programa de Aceleração do Crescimento?!... E do qual constavam a pavimentação das rodovias Transamazônica e Cuiabá – Santarém, além de Belo Monte que, aliás, era a sua maior obra?... Lembra-se?!... Passados alguns anos, a única obra que está sendo concluída, de fato, é Belo Monte, por ser da iniciativa privada. As outras são apenas sonhos!... E por falar nisso, cadê o projeto de transposição das águas do rio S. Francisco e que irrigaria o Nordeste? Está pronto? E o “trem bala”, pra fazer o trecho Rio – S. Paulo? Já foi concluído? E a ferrovia “Transnordestina”, está em operação?!...

Chega. O Brasil está farto de programas mirabolantes e inexequíveis. Basta de projetos que só serão implementados nos próximos anos e alguns no próximo governo. Queremos respeito.
Joomla Templates and Joomla Extensions by JoomlaVision.Com

Adicionar comentário

Este é um espaço de diálogo e troca de conhecimentos que estimula a diversidade e a pluralidade de idéias e de pontos de vista. Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime. Os comentários devem ser pertinentes ao tema da matéria e aos debates que naturalmente surgirem. Mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas.


Código de segurança
Atualizar

Últimos Comentários

top